2008/10/14


Abaixo os binários!

Um testemunho da minha vida de micreiro, e de usuário dos programas que eu uso.

Gosto muito da minha máquina, uma Compaq v6210br. Podia ser melhor em uma porção de coisas, principalmente podia nunca ter quebrado.

Ela deu uns biziu, madei pra patética assistência técnica da HP, e ela voltou 2 meses depois. Como eles formataram o HD, tou aqui instalando tudo de novo.

Ela rodava bonitinho. A placa de rede sem-fio não lembro se rodava originalmente com o módulo nativo ou por ndiswrapper, mas eventualmente tive que passar a usar um dispositivo de wi-fi por USB, e o que funcionou pra mim foi instalar um Linux 2.6.25 "na marra" (não foi por pacote do Debian (que eu me lembre)) e usar o driver nativo, um tal rt27xx, acho.

A partir daí foi só tristeza, porque a mãquina começou a travar. Não teve mais jeito e precisei mandar pra assistência, que trocou a placa-mãe, e formatou o HD de brinde.

Fui instalar o Debian outra vez, por cima do Mandriva em que não fui inteligente o bastante pra descobrir como fazer pra instalar emacs, e aí mandei um Lenny beta 2 pra ver o que rolava. Usei a instalação "gráfica", que devo dizer que está um xuxuzinho.

Aí fui instalar os dispositivos de rede sem-fio, e ainda o módulo da câmera Logitech que me emprestaram. Peguei os pacotinhos Debian dos kernels 2.6.24 e 2.6.26. Mas foi só tristeza... Não consegui usar a rede nem por ndiswrapper, nem pelo módulos nativos (o da broadcom mudou, agora um tal b43). A câmera funcionou só através do mplayer, mas não no xawtv e nos progs de opencv que tou mexendo.

Resolvi então "apelar", e peguei direto o source do 2.6.27, lembrando da felicidade que eu havia tido antes com outro kernel "em desenvolvimento", o 2.6.25. Rolei lá o make-kpkg, e quando finalmente bootei, a rede funcionou de primeira. Estava na escola, já tarde, e satisfeito arrumei minhas coisas e fui pra casa.

Cheguei aqui, preparei uma cerveja no lado esperando passar por uma sessão de desinsetização pra fazer a câmera funcionar, e não é que a bicha funcionou de primeira??

Feliz da vida, vim aqui dar meu testemunho.

1_ Eu sofro mas eu gosto.

2_ Não tenho a menor vontade de usar nada diferente de Debian. (Talvez Debian com HURD, ou com BSD, mas Debian). Mas não significa que eu não marreto meu sistema com coisas "de fora" de vez em quando, e é assim que é pra ser.

3_ Compilar direto da fonte ao invés de baixar o binário funciona. (às vezes, claro.) É muito bom ver isso, porque essa possibilidade é justamente a diferença mais marcante entre os softwares proprietaristas e livres.

Alguém pode dizer "mas se vc estivesse usando ruíndols teria funcionado de cara, e não precisando recorrer a compilar o kernel mais novo na marra". A estes peço que leiam de novo o item 2.

EDIT: Pra deixar o posto mais útil, uma dica. Pra criar o módulo da nvidia utilizadno a fabulosa ferramenta module-assistant, que te permite (quando está tudo OK) compialr e instalar módulos com o comando (e.g.) "m-a a-i nvidia", tive que alterar o código do pacote original. São mudanças que parece que serão necessárias pra passar do 2.6.26 pro 2.6.27. Segui as dicas desse site aqui.

Foi mais difícil do que o que devia ser, porque não dá pra alterar o código e então rodar o m-a, tem que jogar o código alterado no pacote que ele descompacta... Eu poderia tentar descobrir como criar um patch, mas ia dar muito trabalho.

Aí foi correr pro abraço...

Aliás, outra dica. Por muitos anos passei muita raiva ao mexer com a configuração do X, porque precisava parar de ouvir música (com o xmms, por exemplo), ou então tocar música num console de texto, com mplayer, o que não é confortável. A solução é usar o mpd pra ouvir música, um daemon que fica tocando músicas e pode ser controlado por diferentes clientes, incluindo gráficos, de console (curses) e linha-de-comando. Aí pode reiniciar o X tranqüilo. O cliente que eu uso é o ncmpc, que rodo numa janelinha de xterm com uma fonte pequenininha, fundo branco, e com a opção "auto-center" na lista de músicas... É o melhor tocador que já tive, porque tem um esquema muito simples de navegar pelos artistas ou arquivos. Mas tenho certeza que poucos dividirão comigo este gosto...

2 comments:

10mari said...

gente nao entendi quase nada oiq, esses nomezinhos complexos me arrasam, é.

NIC1138 said...

Olá, Mari. Nome complexo pra mim é Spheniscus mendiculus e Aptenodytes forsteri!...

Minha idéia aqui é justamente dar dicas dos programas que uso no meu dia-a-dia pra fazer meu sistema funcionar, pra outros loucos como eu experimentarem. Qual distro vc usa? (se usa Linux...)